Divulgação

Trabalho aos domingos? Possíveis mudanças na Reforma Trabalhista geram polêmica

O Governo Federal defende uma nova reformulação nas regras das relações de trabalho. Um estudo encomendado pelo presidente Jair Bolsonaro propõe, entre outras medidas, a liberação do trabalho aos domingos. A mudança só será possível se o Congresso Nacional aprovar a alteração na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e na Constituição Federal.

A ideia é que ocorram 330 mudanças em dispositivos legais. Há a inclusão de 110 regras, entre artigos, parágrafos, incisos e alíneas, e a alteração de 180 e a revogação de 40 delas, entre elas a previsão de teste de gravidez antes da dispensa da trabalhadora mulher e a legalização do locaute (recusa por parte da entidade patronal em ceder aos trabalhadores os instrumentos de trabalho necessários para a sua atividade).

“A mudança é um retrocesso social. Hoje, para a pessoa trabalhar aos domingos, é necessário estar na lista de atividades liberadas pelo Ministério do Trabalho. Ou que haja autorização do sindicato, por acordo coletivo. Isso foi conquistado através de anos de diálogos entre empregadores e empregados. Retirar isso de forma abrupta, sem diálogo, vejo como um grande erro”, disse o advogado trabalhista João Galamba, sócio do escritório Galamba Félix.

O que está sendo estudado?

Não reconhecer vínculo de emprego entre prestadores de serviços e aplicativos;

Liberar trabalho aos domingos para todas as categorias;

Responsabilização do empregado, quando treinado e equipado, pela falta de uso do equipamento de proteção individual em caso de acidente de trabalho;

Previsão de teste de gravidez antes da dispensa da trabalhadora mulher;

Ajustes nas regras do trabalho intermitente;

Limitação da chamada substituição processual aos associados de um sindicato;

Quitação de acordo extrajudicial seria completa, e o juiz, proibido de homologá-lo parcialmente;

Indenização por danos morais com o teto dos benefícios do Regime Geral de Previdência Social como parâmetro, em vez do salário do trabalhador, como previa a reforma de 201;

Aplicação do IPCA-E em vez da TR, como previa a reforma de 2017, ou da Selic em correção monetária de créditos trabalhistas;

Aplicação de leis trabalhistas novas aos contratos vigentes a fim de evitar questionamentos como os feitos em relação à reforma de 2017;

Liberdade sindical ampla, proposta por meio de PEC;

Descartar como obrigatório o uso dos conceitos de categorias e sistema confederativo para conceituação de sindicatos;

Admitir sindicatos por empresa ou setor produtivo.


15/12/2021 às 11:20 – Com informações da assessoria

Compartilhe essa matéria, escolha uma rede abaixo.

Check Also

Faltou ou chegou atrasado ao trabalho por causa da chuva? Advogado trabalhista explica se pode ocorrer punição

Por conta das fortes chuvas na Região Metropolitana do Recife desde segunda-feira (23), muitos empregados …