Guilherme Fiuza. Foto: Jovem Pan

O livro Passaporte 2030, de Guilherme Fiuza

Li a obra Passaporte 2030, de Guilherme Fiuza, embora desaconselhado a fazê-lo, por um desconhecido que me viu folheá-la na livraria, antes de adquiri-la. Não me arrependi da leitura.

O autor constrói uma sátira mordaz, impiedosa, quase sempre improcedente sobre a justiça brasileira, a administração pública do Brasil, a prevenção da pandemia da Covid-19 por meio de vacinas aqui e no estrangeiro.

Tentou reduzir ao ridículo o STF, pela anulação de processos conduzidos por juízos incompetentes ou imparciais, referindo às imagens jocosas da cueca de um senador, guardando dinheiro sujo, como lugar do crime, e da competência de um juízo submarino para julgar os delitos contra o pré-sal. Irônico e hilariante para quem conhece o direito processual penal. Desrespeitoso também.

Divulgação

A vacinação obrigatória e o afastamento social para evitar o contágio seria um crime contra a humanidade, vacinas suspeitas, elaboradas às pressas e não testadas por tempo suficiente. Ora, se as vacinas demorassem tanto, (e nunca se teria certeza de que imunizariam 100%), quando ficassem prontas a humanidade teria acabado.

As urnas eletrônicas seriam altamente susceptíveis a fraude porque não permitiriam auditagem. No entanto elas já foram testadas e retestadas por entendidos da ciência da computação e ninguém conseguiu burlar a sua segurança. E porque elas foram criadas? Porque a sociedade não suportava mais tanta corrupção que o voto impresso ensejava.

Li, gostei da erudição do autor, do seu empenho em provar que pau é pedra, mas não concordei com ele, por ser insincero.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é colunaseiqueira.jpg

José de Siqueira Silva é Coronel da reserva da PMPE
Mestre em Direito pela UFPE e Professor de Direito Penal
da FOCCA

Contato: jsiqueirajr@yahoo.com.br
Instagram: @j_siqueiras
Facebook: www.facebook.com

19/07/2022 às 21:26

Compartilhe essa matéria, escolha uma rede abaixo.

Check Also

Violência política mata

A violência política tem acontecido pelo mundo em frequência indesejável e aterrorizante como se a …